quarta-feira, 23 de outubro de 2013








Não me entrego sem lutar 
Tenho ainda coração 
Não aprendi a me render 
Que caia o inimigo então 

                     Metal contra as nuvens - Renato Russo/Legião Urbana

Lembrar disso aqui. Sorrir.






Tudo passa 
Tudo passará 
E nossa história 
Não estará 
Pelo avesso assim 
Sem final feliz 
Teremos coisas bonitas pra contar 
E até lá 
Vamos viver 
Temos muito ainda por fazer 
Não olhe pra trás 
Apenas começamos 
O mundo começa agora, ah! 
Apenas começamos. 

                          
                         Metal contra as nuvens - amado Renato Russo/Legião Urbana


quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

terça-feira, 15 de janeiro de 2013






Não existe meio termo. Você e eu e mais ninguém.
                         Quézia Estéfani.

quinta-feira, 27 de dezembro de 2012



" As pessoas esperam que o ano que está começando seja melhor. 
Aposto que o ano que esta começando espera que as pessoas é que sejam melhores!"

Mafalda .













    Desacreditei muito das coisas, sobretudo das pessoas e suas boas intenções.

  Nosso ilustre, 
                                 Caio Fernando Abreu .
                                 (Sim! Eu amo essa frase)

quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

Do encontro ...



P1fzlt592198na6g57pl7icctfa754gf_large



Restou um livro de Agatha Christie
A rosquinha velha, mofada
Na cama a tua blusa
No coração, saudade nossa.

Quézia Estéfani.



"2013 vai ser o meu ano!"



            Bem, muita coisa mudou e com plena certeza afirmo que dentro desses cinco dias vindouros para o final do nosso querido 2012, muita coisa ainda vai mudar. Visíveis ou não, dentro de mim mudaram. Quantas profecias foram tocadas adiante nesses meses todos, mas nenhuma perpetuou tanto quanto a de que o tão comentado ano de 2012 acabaria lindo e repleto de novas vontades, de novos sorrisos e tantos abraços; afinal quem queria que ele acabasse tão absurdamente?! Creio eu, que não muita gente...
         Foram tantos planos feitos durante tanto tempo, possíveis formas de transformar cada dia, cada minuto de cada instante que passou. Mas sinto que por vários instantes fracassei. Não foi como esperava e assim mesmo só será quando a hora certa chegar. Tento escrever que amei, deixei, desejei, persuadi, angustiei, demorei, gritei, arrematei, ouvi, calei, senti, fiz, desfiz,orei, pedi, recebi, dei e, dentro desse quarto lilás eu também conversei comigo, naquela cama desarrumada à meia noite eu acordei assustada e feliz (incondicionalmente!) pelo simples fato de existência e por poder mesmo não tão significativamente, viver 2012. Viver 17 verões "arretados" na minha adorável Bahia, viver com intensidade e respeitando a vida, mas nunca aceitando minha condição de que aqui é meu lugar, de que aqui é minha história. Esse é sim, meu lugar, onde meus sonhos nasceram, mas onde não morrerão. Não sei onde é meu lugar, pretendo encontrar, claro! Encontrar (onde esteja), o destino guiará meus passos para alcançá-lo, pois é meu. 
            Mas existi uma fé que cambaleia dentro de mim, a mesma fé que um dia fizeram os pés pequenos caminhar, cair, caminhar, continuar, essa fé inebria meus medos e me conduz aos novos dias, deixando acordar o ano novo e despertar saudade do que passou. Tenha apenas fé, que quando o relógio cantar feliz que o novo ano chegou um sorriso paira em teu rosto e àquelas antigas vontades não realizadas em 2012 te acompanhem e causem, ainda assim, muito mais que vontade...
             E, mesmo que cada dia deixe saudade, fique ansioso por próximos dias, por próximos anos, por novos sonhos e que a sensação de dever cumprido não te deixe aquietar.


               Feliz ano novo, Happy new year, Gelukkige nuwe jaar, Bonne année, Buon anno, queridos leitores do Vez após vez!


                                                                      Quézia Estéfani.
    

segunda-feira, 26 de novembro de 2012

Nosso adorável Snoopy .


(...) 



(...)



(...)




Pedaços de outros sorrisos emendam nossos sorrisos.
                                                      Quézia Estéfani .



Se o silêncio por vezes conversa, ouço o meu tagarelar - dentro de mim - alto. Se a saudade tine confusa, atormenta os espaços ocos, ainda, a minha saudade badala com força e ouço os estalos dela. Porque usar sofrimento para atrair, para alcançar? Veja o alcance de teus sorrisos pequena, atraia-te para te mesma. 

                                                                      Quézia Estéfani.


sábado, 24 de novembro de 2012





Eu busco, no silêncio intenso de cada olhar, encontrar cada coração. 

                                         Quézia Estéfani. 

sexta-feira, 23 de novembro de 2012



Não deixem que as folhas amarelas sejam esquecidas, nem que letras tortas sejam apagadas.
Não deixem que os detalhes interrompidos pela sensação da imaginação, sejam então corrompidos. Nunca deixem ficar no esquecimento os papéis rasgados que a tantos deram saudade, nem na lembrança nossa velha história.

Quézia Estéfani . 



segunda-feira, 19 de novembro de 2012


Andava sem mim. Aflito. Sem alma. 
Sem cor. Sem calma. Reflexo oposto. No ser.
Quem vê que julga. Que olha. Não sente.
Não presencia. Caminha do lado de fora. 
Na estrada que leva ao lado oposto, seu lado, nossos lados. 
Ando-me procurando e quem achar, faça o favor 
de me procurar. 

Quézia Estéfani .

Tu Tens um Medo


Acabar.

Não vês que acabas todo o dia.
Que morres no amor.
Na tristeza.
No desejo.
Que te renovas todo dia.
No amor.
Na tristeza
Na dúvida.
No desejo.
Que és sempre outro.
Que és sempre o mesmo.
Que morrerás por idades imensas.
Até não teres medo de morrer.
E então serás eterno.
Não ames como os homens amam.
Não ames com amor.
Ama sem amor.
Ama sem querer.
Ama sem sentir.
Ama como se fosses outro.
Como se fosses amar.
Sem esperar.
Tão separado do que ama, em ti,
Que não te inquiete
Se o amor leva à felicidade,
Se leva à morte,
Se leva a algum destino.
Se te leva.
E se vai, ele mesmo...
Não faças de ti
Um sonho a realizar.
Vai.
Sem caminho marcado.
Tu és o de todos os caminhos.
Sê apenas uma presença.
Invisível presença silenciosa.
Todas as coisas esperam a luz,
Sem dizerem que a esperam.
Sem saberem que existe.
Todas as coisas esperarão por ti,
Sem te falarem.
Sem lhes falares.
Sê o que renuncia
Altamente:
Sem tristeza da tua renúncia!
Sem orgulho da tua renúncia!
Abre as tuas mãos sobre o infinito.
E não deixes ficar de ti
Nem esse último gesto!
O que tu viste amargo,
Doloroso,
Difícil,
O que tu viste inútil
Foi o que viram os teus olhos
Humanos,
Esquecidos...
Enganados...
No momento da tua renúncia
Estende sobre a vida
Os teus olhos
E tu verás o que vias:
Mas tu verás melhor...
... E tudo que era efêmero


se desfez.
E ficaste só tu, que é eterno.


                                                                                               Cecília Meireles